terça-feira, 15 de agosto de 2017

Watch: uma nova plataforma para programas em vídeo no Facebook

Por Daniel Danker, diretor de produto
Assistir a vídeos no Facebook tem o poder de conectar pessoas, iniciar conversas e criar comunidades. No Facebook, os vídeos são descobertos por meio de amigos. À medida que mais e mais pessoas aproveitam essa experiência, aprendemos que elas gostam de descobrir vídeos no Feed de Notícias, mas também querem um lugar dedicado para assisti-los. É por isso que no ano passado lançamos uma aba de vídeo nos EUA, que trouxe um lugar para encontrar vídeos no Facebook. Agora queremos tornar ainda mais fácil acompanhar os conteúdos que você ama.
Apresentando o Watch
Hoje, apresentamos o Watch, uma nova plataforma para programas em vídeo no Facebook. O Watch vai estar disponível em dispositivos móveis, desktop e laptop, assim como em nossos aplicativos de TV. Os programas trazem episódios – ao vivo ou gravados – e seguem um tema ou enredo. Para ajudá-lo a acompanhar os programas que você segue, o Watch tem uma Watchlist para que você nunca perca os últimos episódios.
O Watch é personalizado para ajudar na descoberta de novos programas, organizados com base no que seus amigos e comunidades estão assistindo. Por exemplo, você encontrará seções como “Mais Comentados”, que destaca programas que estão gerando conversas; “O que está fazendo as pessoas rirem”, que inclui programas nos quais muitas pessoas usaram a reação “Haha”; e “O que amigos estão assistindo”, que ajuda você a se conectar com os seus amigos sobre os programas que eles também estão seguindo.
Aprendemos com o Facebook Live que os comentários e as reações de pessoas a um vídeo são muitas vezes tão parte da experiência quanto o próprio vídeo. Então, quando você assistir a um programa, você poderá ver comentários e se conectar com amigos e outros espectadores enquanto assiste, ou participar de um grupo no Facebook dedicado ao programa.
Uma plataforma para programas
O Watch é uma plataforma para que todos os criadores de conteúdo e veículos de mídia possam encontrar uma audiência, criar uma comunidade de fãs e ganhar dinheiro por seu trabalho. Acreditamos que uma grande variedade de programas no Facebook pode ser bem sucedida, em especial:
  • Programas que engajam fãs e a comunidade. O Nas Daily publica um programa diário em que faz vídeos com fãs de todo o mundo. A Watchlist torna mais fácil para os fãs acompanharem cada novo episódio.
  • Programas ao vivo que se conectam diretamente os fãs. Gabby Bernstein, uma autora best-seller do New York Times, oradora e coach motivacional, usa uma combinação de episódios gravados e ao vivo para se conectar com seus fãs e responder perguntas em tempo real.
  • Programas que seguem uma narrativa ou um tema consistente. O Kitchen Little, produzido pelo Tastemade, é um programa divertido sobre crianças que assistem a um vídeo de uma receita e então instruem chefs profissionais sobre como fazê-la. Cada episódio apresenta uma nova criança, chefe e receita, e a comida nem sempre sai como esperada.
  • Eventos ao vivo que reúnem comunidades. A Major League Baseball está transmitindo um jogo por semana no Facebook, possibilitando que as pessoas possam assistir às partidas ao vivo enquanto se conectam com amigos e fãs na plataforma.
Acreditamos que o Watch será o espaço de uma ampla gama de programas, de reality show à comédia e ao esporte ao vivo. Para ajudar a inspirar criadores e impulsionar o ecossistema, também financiamos alguns programas que são exemplos de séries de vídeo com episódios e orientadas para a comunidade. Por exemplo, “Returning the Favor” é uma série criada por Mike Rowe, onde ele encontra pessoas fazendo algo extraordinário para sua comunidade, conta ao mundo sobre isso e, por sua vez, faz algo extraordinário para elas. Os candidatos são nomeados pelos fãs de Mike no Facebook.
Estamos entusiasmados em ver como criadores de conteúdo e veículos usam os programas para se conectar com seus fãs e comunidade. Veja mais informações sobre como criar programas no nosso Media Blog.
Vamos disponibilizar o Watch a um grupo limitado de pessoas nos EUA e planejamos levar a experiência a mais pessoas em breve.

Facebook apresenta nova ferramenta de análise para Instant Articles

Por Mona Sarantakos, gerente de produto 

Hoje, começamos a disponibilizar uma ferramenta para veículos de mídia que utilizam o Instant Articles para medir a forma como seus artigos estão performando no Facebook em comparação aos equivalentes de web móvel. No passado, compartilhamos essa métrica com os veículos de mídia no Instant Articles e, nos últimos meses, trabalhamos em estreita colaboração com nossos parceiros para desenvolver uma maneira para que os veículos pudessem visualizar essa comparação diretamente. Esses dados são importantes para que os veículos possam tomar decisões de negócio sobre como eles compartilham conteúdo no Facebook.

Trabalhamos com a Nielsen, líder global em mensuração, para validar nossa metodologia que mede o aumento do tráfego que os veículos com Instant Articles estão vendo. Veja nosso guia para obter mais detalhes sobre nossas métricas e metodologias de cálculo. A nova ferramenta estará disponível para veículos de mídia que tenham publicado artigos suficientes em Instant Articles e versões web móvel para medir a diferença. Nos próximos meses, planejamos adicionar mais métricas à ferramenta para ajudar a monitorar o desempenho dos Instant Articles.
Como os Instant Articles performam?
Nós descobrimos que as pessoas são menos propensas a desistir do acesso quando os artigos carregam rapidamente, e mais propensas a compartilhar Instant Articles do que links web em dispositivos móveis. Além disso, em média, as pessoas leem mais artigos quando veem Instant Articles no Feed de Notícias*. Nossa análise mais recente indica que essas tendências se mantiveram verdadeiras à medida que o programa cresceu – e essa nova ferramenta permitirá que os veículos vejam e avaliem dados específicos de seus artigos.
A análise revela outras variáveis e efeitos no impacto global dos Instant Articles sobre o tráfego de referência do Facebook. Aqui estão os destaques, mas você pode também navegar mais profundamente por essas variáveis e efeitos aqui:
  • A concorrência pela atenção no Feed de Notícias leva as pessoas a formatos fáceis de consumir.
  • Os ciclos de notícias muitas vezes contribuem para oscilações no tráfego de links geral.
  • As diferenças regionais influenciam os resultados do tráfego em regiões e mercados.
  • As variações regionais no tráfego móvel são atribuídas a variáveis como conectividade de rede e dispositivo móvel.
  • A propensão das pessoas de clicar em Instant Articles está correlacionada ao volume de Instant Articles que elas veem de um veículo.
No mês passado, compartilhamos dados sobre as oportunidades que muitos veículos com Instant Articles estão vendo em termos de monetização provenientes do formato. Mais de 10.000 veículos em todo o mundo estão usando Instant Articles e mais de um terço de todos os cliques para artigos no Facebook são em Instant Articles.
Somos encorajados pelo crescimento e momento que vemos no programa e continuamos investindo em melhorias que criam valor para os negócios de nossos parceiros. Agora, estamos testando novas unidades de recirculação e compartilharemos mais sobre essas novidades nas próximas semanas.
* “Nielsen Custom Instant Article Study”, um estudo da Nielsen encomendado pelo Facebook, julho de 2017.

domingo, 23 de abril de 2017

Coca-Cola coloca sobrenomes nas embalagens

Campanha do verão de 2017 da Coca-Cola (crédito: reprodução)
Desde o lançamento de sua ação “Share a Coke” nos Estados Unidos em 2014, a Coca-Cola vem tentando realizar uma aproximação com seus consumidores. A prova disto está neste verão, quando a marca ficará ainda mais pessoal ao adicionar sobrenomes à mistura. Sem aparecer em garrafas que já contenham nomes, os rótulos incluirão sobrenomes como Johnson, Smith ou Lopez, enquanto outros irão levar identificações como Chris, Sarah ou Matt. “Sobrenomes nos darão a oportunidade de convidar mais pessoas para a campanha”, disse Evan Holod, diretor de marca da Coca-Cola. “É apenas uma ótima maneira de atingir nosso objetivo”.
A marca também está estabelecendo a conexão com os consumidores, em eventos como reuniões familiares e casamentos, ele acrescentou. Enquanto os nomes aparecerão aleatoriamente no varejo, as pessoas podem fazer encomendas personalizadas no ShareaCoke.com — que será executado de maio a julho de 2017.
O marketing, que trabalhou com uma empresa de análise de informações, identificou 200 sobrenomes populares que representam cerca de um quarto da população de pessoas, entre as idades de 13 a 34, nos Estados Unidos. Agora, a lista de nomes da marca inclui mais de 800 opções.
A Coca-Cola lançou “Share a Coke” na Austrália, em 2011. A ação chegou aos Estados Unidos em 2014 e provou ser um sucesso, ajudando a marca a crescer seu volume de vendas naquele ano, pela primeira vez desde 2000. A Coca-Cola começou, em 2014, com os 250 nomes mais populares, entre adolescentes e millennials. Este ano, o maior número de nomes vai cobrir mais de 77% da população geral nos Estados Unidos, pessoas com idades entre 13 e 34, de acordo com a marca.
A popularidade da tática prova que ideias simples de marketing são, muitas vezes, as melhores ideias. Ao carimbar nomes nos pacotes, a Coca-Cola está alimentando uma sede de personalização e customização. Existindo, desta maneira, um claro apelo pela vaidade, uma vez que aparentemente os consumidores gostam de ver seu próprio nome em qualquer lugar, mesmo que seja em uma garrafa de refrigerante. Mas as pessoas não apenas procuram seus próprios nomes. Elas também procuram nomes de amigos e familiares, diz Holod.
Como qualquer coisa, o truque é manter o programa fresco, o que a Coca-Cola tem feito ao experimentar conceitos diferentes ao longo dos anos. No verão passado, por exemplo, a marca colocou letras de canções em suas latas — como “We are the champions”, da banda Queen —, comercializando-a como “Share a Coke and a Song”.
Este ano, a Coca-Cola está alterando a campanha para “Share an Ice Cold Coke”, na tentativa de estimular a demanda por refrigerante em dias quentes de verão. Os anúncios em vídeo, incluindo TV, serão alimentados neste tema. A principal agência criativa da campanha é a Fitzgerald & Co., da McCann Worldgroup. Holod afirma que a ação receberá 13 semanas de “apoio intenso dos meios de comunicação”, incluindo três novos filmes na televisão.
Embora alguns sobrenomes possam ser mais populares em algumas regiões do país do que outros, a Coca-Cola não tem planos de segmentar regionalmente certos nomes. Holod diz estar confiante que a marca terá a combinação certa de nomes para atender a demanda em todas as regiões. A Coca-Cola forneceu a seguinte lista de sobrenomes como alguns dos mais populares em toda a sua população alvo: Smith, Johnson, Williams, Miller, Garcia, Davis, Rodriguez, Martinez, Hernandez e Lopez. Quanto aos nomes, Michael é o número 1.
Tradução: Victória Navarro
Fonte: http://www.meioemensagem.com.br