terça-feira, 20 de janeiro de 2015

O CHEFE E O LÍDER

Enquanto o chefe impõe, o líder conquista.

Enquanto o chefe atrai puxa-sacos e interesseiros, o líder atrai seguidores voluntários.

Enquanto o chefe é truculento, o líder surpreende pela paciência.

Enquanto o chefe visa somente os números, o líder inspira aqueles que fazem os números parecerem pequenos.

O chefe encerra o assunto. O líder argumenta com inteligência.

O chefe segue a pauta da reunião. O líder é sensível para, se necessário, mudar o rumo do roteiro.

O chefe empurra goela abaixo. O líder põe água na boca e sua ideia desce gostoso.

O chefe não reconhece o valor de outros líderes. O líder é humilde pra aprender com quem provou seu valor com resultados.

O chefe tem resultados limitados. O líder cresce sem limites em tudo que coloca suas mãos.

Não tem um líder?
Seja você este líder.

DESTAQUE-SE NA SUA ÁREA

Você não é igual a ninguém neste planeta. Você é único. Não aceite ser padronizado e considerado um a mais nessa multidão ofuscada pelo coletivismo.

Preserve a sua identidade e a sua individualidade. Cultive os seus sonhos e trabalhe por eles.

Saia do anonimato, acredite em seus talentos e destaque-se.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

O calor afeta o seu humor?

Verão: tempo quente, o sol colorindo as paisagens, praia, piscina, férias, alto astral, certo? Há algumas exceções... Nem sempre curtimos os dias claros como gostaríamos, nem sempre estamos de férias, nem sempre esse calor desperta o nosso bom humor.

Cada estação traz seus convites, que captamos ao observá-las: inverno é tempo de se recolher, de estar mais internalizado, é a época de hibernar. A primavera é a estação de florescer, que nos encanta com sua beleza, que nos convida a criar, assim como incentiva os animais a procriarem e gerarem vida. No outono vem o necessário convite à renovação, à troca das folhas nas árvores e das ideias nos seres humanos. Verão é momento da abertura, da relação, de aproveitar os dias longos para se conectar com o mundo externo.

Juntando as altas temperaturas às demais cobranças diárias, muitas vezes o que surge de resultado é mau humor, cansaço, agitação. Você já observou se tem agido conforme a estação do verão lhe convida? Nem sempre adequamos nossa rotina ao que esse clima pede: alimentação mais leve, repor com frequência o líquido perdido, usar roupas mais frescas, usufruir de espaços abertos. E num nível emocional, também buscar mais abertura e leveza, com certeza, contribuirá para um verão mais saudável.

Efeitos contrários

Por vezes é a cobrança pelo corpo perfeito que destrói nossa diversão. Ao invés de se entregar ao momento, muita gente fica preocupada em atingir um ideal que nunca chega. Já pensou se esse é o seu caso? Se for, desencane. Procure cuidar de sua saúde, claro, se alimentando bem, fazendo exercícios, mas para lhe gerar bem-estar integralmente. Não para alimentar culpa e medo.

Talvez a rotina de organizar as férias esteja gerando o efeito contrário ao relaxamento. Já pensou maneiras de curtir melhor esse tempo, sem tanto estresse? Delegar funções, facilitar mecanismos, procurar relaxar sem ficar preocupado com tudo e com todos. Apertar o botão "desliga" de vez em quando pode fazer muito bem!

Não está de férias enquanto todos seus amigos estão curtindo uma bela praia? Isso sem falar que nessa época incidem impostos, cobranças, enfim, coisas que contribuem para que a agitação possa aumentar ainda mais. Já que não há remédio, que tal curtir seu verão aproveitando as mínimas possibilidades de ser mais leve e suave? Tomar um suco natural bem geladinho na hora em que bate aquele calor, um banho em temperatura mais amena com sabonetes de aromas refrescantes, curtir a brisa na janela do seu meio de transporte. Enfim, tente buscar maneiras especiais de aproveitar esse solstício. É hora do almoço? Que tal afrouxar a gravata ou descer um pouco do salto? Levar um sabonete de rosto na bolsa, para no meio do dia refrescar sua pele pode ser uma maneira de se abrir para o próximo turno. Traga a natureza para perto: ouvir sons de água ajudam a manter a mente num estado de relaxamento que permite que as ideias fluam, como a correnteza suave de um rio.

Então, aproveite cada momento que a vida lhe apresentar para viver os convites do verão: leveza, abertura, iluminação, contato, ação. Do seu jeito, viva o seu verão!

Fonte: http://www.personare.com.br

Organização que ajuda os animais no Rio está ameaçada de fechar as portas! Vamos ajudar!

ELES PRECISAM DE VOCÊ!!!! A Sociedade União Internacional Protetora dos Animais (SUIPA) está ameaçada de fechar as portas!

Por favor, compartilhe esse post e marque seus amigos. Convoque todos para ajudar quem precisa. Eles precisam de você!!! Acesse o site e associe-se já: http://www.suipa.org.br/

DIARIAMENTE a SUIPA resgata, nas ruas, cerca de 10 animais e recebe, no abrigo, outros 50. Grande parte vítima de atropelamentos e da crueldade dos próprios "donos" que descartam seus cães e gatos doentes, idosos, e também filhotes recém nascidos. Os animais NÃO são objetos para serem descartados! Os direitos dos animais são assegurados por lei. Vale lembrar que a comercialização de cães e gatos nas ruas é PROIBIDA, assim como a distribuição de animais a título de brinde ou sorteio. DENUNCIE!

Aproximadamente *3.500 animais estão abrigados na SUIPA à espera de adoção (*2010). A maioria, cães e gatos que convivem numa área de apenas três mil metros quadrados. Não compre animais, ADOTE! ‪#‎suipa‬ ‪#‎animais‬ ‪#‎ajude‬

SUA CAPACIDADE É GRANDE O SUFICIENTE PARA ESCREVER SUA HISTÓRIA


Desde quando comecei a me entender por gente, nunca admiti viver de mesada do papai. Depois que casei, nunca admiti, um dia sequer, receber mesada de meus pais ou sogros. Como cidadão, jamais admitiria viver recebendo mesada do governo.

Nenhuma das alternativas que eu citei não admitir acima, seria por uma razão moral depender delas, mas sim por uma questão de auto-estima e dignidade.

Se quero ser alguém no mundo, tenho que, no mínimo, me sustentar com o que sou capaz de produzir. Mas se quero fazer a diferença no mundo, produzir o meu próprio sustento não é o suficiente. Quero gerar empregos para milhares de pessoas, aumentar a referência de milhões nas redes sociais e provocar a evolução de centenas que decidiram seguir a direção dada.

Com a capacidade extraordinária que tem o ser humano, aceitar conviver com a dependência de quem quer que seja seria um contra-senso e um desperdício.

Alguém pode falar: "mas tem gente muito miserável e que precisa muito".

Sim, temos a obrigação de ajudá-los. Todos nós, sem exceção, temos a obrigação de estender a mão para os necessitados, mas além da comida que mata a fome do corpo de imediato, o alimento intelectual e emocional, como a auto-estima, a dignidade e a honra tem que vir na frente, porque é ela que faz com que tenhamos forças para reagir e virar o jogo. Sem ela, mergulhamos de cabeça na auto-piedade que nos convence que somos coitados e dignos de nos tornarmos dependentes de terceiros.

Por isso, sou tão adepto do empreendedorismo. Com ele, temos a chance de começarmos pequenos e sonharmos grande.

Texto: Flavio Augusto

TROQUE DE PROJETO QUANDO ESTIVER EM ALTA


Infelizmente a lógica da boiada é oposta. Vemos esta inversão conceitual todos os dias na Bolsa de Valores, quando as pessoas compram ações quando elas estão subindo e as vendem quando estão em baixa. No mercado, este comportamento é chamado de "efeito manada".

No entanto, quando as ações estão em alta, é quando deve-se considerar a hipótese de vendê-las a fim de realizar o lucro obtido, ao contrário de quando elas estão em baixa, quando deve-se considerar a hipótese de comprá-las.

Quando vendi a primeira empresa que fundei que estava em franco crescimento, algumas pessoas me perguntaram qual era o problema que eu estava passando por ter tomado esta decisão. Na realidade, era exatamente o contrário. A empresa estava em alta e, associado a outros fatores pessoais - considerar que sou um construtor e não um síndico - ficava claro pra mim que já havia cumprido a minha missão e havia chegado a hora de realizar os lucros obtidos na criação daquele projeto.

Muitos, por exemplo, deixam para procurar um novo emprego quando são demitidos em vez de terem ficado sempre conectados e atentos a novas oportunidades quando estavam em alta e, quando na condição de muito bem colocados, poderiam ter aceitado novos e promissores convites para novos desafios.

No fundo, este conceito confronta a acomodação de quem está em busca muito comum de uma vida mais estável, quando na realidade, essa estabilidade não existe e a forma mais dura de descobrir isso é recebendo uma surra da vida ao ser surpreendido com o revés de um acontecimento inesperado.

Isso significa que devemos entender de uma vez por todas. Não há estabilidade e as adversidades podem se apresentar a qualquer momento e elas certamente virão. Por isso, a hora de mudar é quando você está em alta e não quando as adversidades te pegam de calça curta. Neste momento, você estará numa situação extremamente desfavorável para negociar a entrada em seu novo projeto.

Texto: Geração de Valor