segunda-feira, 23 de outubro de 2017

“Pagar com Google” quer descomplicar pagamentos online

Espécie de carteira virtual do Google é lançada globalmente e já funciona no Brasil

Um lançamento do Google facilitará pagamentos em aplicativos e sites de comércio eletrônico. O “Pagar com Google” é anunciado globalmente hoje pela gigante da internet.

No serviço, o usuário poderá deixar cadastrado cartões de créditos. Formas de pagamentos já adicionadas a serviços como Google Play, YouTube ou outros da empresa estarão disponíveis ao comprador.

 O Brasil é um dos países que recebe a novidade em seu lançamento. Sites e apps como Peixe Urbano, iFood, Hotel Urbano e Magazine Luiza estão entre os parceiros iniciais da carteira eletrônica do Google.

O serviço deve ser adotado por outros sites no futuro. O Google cita Groupon, Zattini e Netshoes como os próximos a receber o “Pagar com Google”. Na prática, o serviço deve aparecer à medida que desenvolvedores interessados conectarem APIs de seus produtos à do novo produto do Google.

Fonte: Exame

Marketing Digital Artístico é na F5 Mídia!

A F5 Mídia tem o DNA digital. Criamos campanhas publicitárias que aproximam seu púbico através de um conteúdo diferenciado, interativo e especialmente desenvolvido para você. Somos especialistas em Marketing Digital Artístico e também fazemos sua empresa ganhar destaque na internet. Nossa equipe é formada por artistas do mundo publicitário ligados no 220 volts e conectados nas tendências do mercado musical e digital.

Se criamos campanhas para outro segmentos? Mas é claro que sim! Somos muito criativos e antenados e nossa tarefa é criar uma forte presença digital para sua empresa. Temos um grande portfólio em outros segmentos.
Contato: (21) 96471-1386
ACESSE: f5midia.com.br



Marketing digital para empreender na crise

"Uma forte presença online é mais necessária do que nunca. Mas, em tempos de crise econômica, há uma oportunidade de ouro para retornos rápidos e enorme crescimento - tudo por uma fração do custo da publicidade tradicional"

Em menos de dez anos, acompanhei de perto duas crises econômicas. A primeira delas em 2008, que afetou basicamente o mundo inteiro, principalmente os EUA – país em que resido - e a segunda no Brasil. Após a estabilidade americana, houve um boom no crescimento de startups de empresas online. Elas surgiram por todo o país como uma sábia alternativa às altas taxas de desemprego e às poucas vagas no mercado de trabalho. E essa história pode acabar se repetindo no Brasil.
Quando desembarquei pela primeira vez em solo brasileiro, no ano de 2015, para uma palestra, o país já vivia a crise e o discurso era de cortes de custos e redução de folhas de pagamento, aumentando a taxa de desempregados no Brasil até os dias de hoje. Mas será que esta é a melhor estratégia a ser adotada pelos empresários?
Nos dias de hoje, soa como uma obrigação que empresas (PMEs, startups e empreendedores autônomos) marquem presença online e façam uso do marketing digital a favor de seus negócios. Em 2017, isso não deveria ser um segredo. Uma forte presença online é mais necessária do que nunca. Mas, em tempos de crise econômica, há uma oportunidade de ouro para retornos rápidos e enorme crescimento - tudo por uma fração do custo da publicidade tradicional.
Ads by 
Ads by 
 
A maioria das empresas - especialmente aquelas com mentalidades tradicionais de orçamentos de publicidade e marketing offline - investe menos quando há uma recessão porque as receitas caem e há cortes nos gastos. É por isso que se vêem tantos outdoors "disponíveis" enquanto se dirige pelas principais cidades e rodovias. As empresas não conseguem justificar esse tipo de despesas, mesmo que possam potencialmente trazer um retorno financeiro.
Mas o marketing online é diferente, e as pequenas empresas podem aprender essas estratégias por conta própria e crescer significativamente, enquanto sua concorrência é mais cautelosa sobre seus investimentos.
Os problemas com a economia tornam esse processo ainda mais fácil. Como tantas empresas sofrem com a queda no fluxo de caixa, profissionais qualificados com experiência em marketing online buscam novas oportunidades.
Além de contratar colaboradores internos que têm uma vasta experiência em marketing digital, a contratação de funcionários remotos torna-se mais fácil do que nunca. Existem inúmeros freelancers no mercado atuando como consultores, que se concentram em SEO, marketing de conteúdo, anúncios pagos, mídias sociais, otimização de conversões e muito mais.
E a melhor parte além dos custos mais baixos?

A capacidade de atingir estrategicamente uma audiência qualificada com base nas soluções que sua empresa pode fornecer para seus problemas. O marketing de conteúdo possibilita que as empresas criem conteúdo que naturalmente atrai pessoas, respondendo suas perguntas e fornecendo valor. Esse valor se transforma em confiança e cria instantaneamente um relacionamento entre a empresa e o cliente potencial.
Agora é o momento mais importante da história para construir uma equipe especializada em marketing digital. Enquanto o marketing online está crescendo rapidamente no Brasil, ainda é um conceito relativamente novo que só continuará a acelerar. Ao começar agora, sua empresa pode ganhar uma enorme vantagem sobre a concorrência que pode ainda estar debatendo se deve ou não investir em algo com o que não está inteiramente familiarizada.
Neil Patel é considerado um dos 10 top influenciadores digitais do mundo e sinônimo de aplicação de estratégias de marketing inteligentes. 

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Watch: uma nova plataforma para programas em vídeo no Facebook

Por Daniel Danker, diretor de produto
Assistir a vídeos no Facebook tem o poder de conectar pessoas, iniciar conversas e criar comunidades. No Facebook, os vídeos são descobertos por meio de amigos. À medida que mais e mais pessoas aproveitam essa experiência, aprendemos que elas gostam de descobrir vídeos no Feed de Notícias, mas também querem um lugar dedicado para assisti-los. É por isso que no ano passado lançamos uma aba de vídeo nos EUA, que trouxe um lugar para encontrar vídeos no Facebook. Agora queremos tornar ainda mais fácil acompanhar os conteúdos que você ama.
Apresentando o Watch
Hoje, apresentamos o Watch, uma nova plataforma para programas em vídeo no Facebook. O Watch vai estar disponível em dispositivos móveis, desktop e laptop, assim como em nossos aplicativos de TV. Os programas trazem episódios – ao vivo ou gravados – e seguem um tema ou enredo. Para ajudá-lo a acompanhar os programas que você segue, o Watch tem uma Watchlist para que você nunca perca os últimos episódios.
O Watch é personalizado para ajudar na descoberta de novos programas, organizados com base no que seus amigos e comunidades estão assistindo. Por exemplo, você encontrará seções como “Mais Comentados”, que destaca programas que estão gerando conversas; “O que está fazendo as pessoas rirem”, que inclui programas nos quais muitas pessoas usaram a reação “Haha”; e “O que amigos estão assistindo”, que ajuda você a se conectar com os seus amigos sobre os programas que eles também estão seguindo.
Aprendemos com o Facebook Live que os comentários e as reações de pessoas a um vídeo são muitas vezes tão parte da experiência quanto o próprio vídeo. Então, quando você assistir a um programa, você poderá ver comentários e se conectar com amigos e outros espectadores enquanto assiste, ou participar de um grupo no Facebook dedicado ao programa.
Uma plataforma para programas
O Watch é uma plataforma para que todos os criadores de conteúdo e veículos de mídia possam encontrar uma audiência, criar uma comunidade de fãs e ganhar dinheiro por seu trabalho. Acreditamos que uma grande variedade de programas no Facebook pode ser bem sucedida, em especial:
  • Programas que engajam fãs e a comunidade. O Nas Daily publica um programa diário em que faz vídeos com fãs de todo o mundo. A Watchlist torna mais fácil para os fãs acompanharem cada novo episódio.
  • Programas ao vivo que se conectam diretamente os fãs. Gabby Bernstein, uma autora best-seller do New York Times, oradora e coach motivacional, usa uma combinação de episódios gravados e ao vivo para se conectar com seus fãs e responder perguntas em tempo real.
  • Programas que seguem uma narrativa ou um tema consistente. O Kitchen Little, produzido pelo Tastemade, é um programa divertido sobre crianças que assistem a um vídeo de uma receita e então instruem chefs profissionais sobre como fazê-la. Cada episódio apresenta uma nova criança, chefe e receita, e a comida nem sempre sai como esperada.
  • Eventos ao vivo que reúnem comunidades. A Major League Baseball está transmitindo um jogo por semana no Facebook, possibilitando que as pessoas possam assistir às partidas ao vivo enquanto se conectam com amigos e fãs na plataforma.
Acreditamos que o Watch será o espaço de uma ampla gama de programas, de reality show à comédia e ao esporte ao vivo. Para ajudar a inspirar criadores e impulsionar o ecossistema, também financiamos alguns programas que são exemplos de séries de vídeo com episódios e orientadas para a comunidade. Por exemplo, “Returning the Favor” é uma série criada por Mike Rowe, onde ele encontra pessoas fazendo algo extraordinário para sua comunidade, conta ao mundo sobre isso e, por sua vez, faz algo extraordinário para elas. Os candidatos são nomeados pelos fãs de Mike no Facebook.
Estamos entusiasmados em ver como criadores de conteúdo e veículos usam os programas para se conectar com seus fãs e comunidade. Veja mais informações sobre como criar programas no nosso Media Blog.
Vamos disponibilizar o Watch a um grupo limitado de pessoas nos EUA e planejamos levar a experiência a mais pessoas em breve.

Facebook apresenta nova ferramenta de análise para Instant Articles

Por Mona Sarantakos, gerente de produto 

Hoje, começamos a disponibilizar uma ferramenta para veículos de mídia que utilizam o Instant Articles para medir a forma como seus artigos estão performando no Facebook em comparação aos equivalentes de web móvel. No passado, compartilhamos essa métrica com os veículos de mídia no Instant Articles e, nos últimos meses, trabalhamos em estreita colaboração com nossos parceiros para desenvolver uma maneira para que os veículos pudessem visualizar essa comparação diretamente. Esses dados são importantes para que os veículos possam tomar decisões de negócio sobre como eles compartilham conteúdo no Facebook.

Trabalhamos com a Nielsen, líder global em mensuração, para validar nossa metodologia que mede o aumento do tráfego que os veículos com Instant Articles estão vendo. Veja nosso guia para obter mais detalhes sobre nossas métricas e metodologias de cálculo. A nova ferramenta estará disponível para veículos de mídia que tenham publicado artigos suficientes em Instant Articles e versões web móvel para medir a diferença. Nos próximos meses, planejamos adicionar mais métricas à ferramenta para ajudar a monitorar o desempenho dos Instant Articles.
Como os Instant Articles performam?
Nós descobrimos que as pessoas são menos propensas a desistir do acesso quando os artigos carregam rapidamente, e mais propensas a compartilhar Instant Articles do que links web em dispositivos móveis. Além disso, em média, as pessoas leem mais artigos quando veem Instant Articles no Feed de Notícias*. Nossa análise mais recente indica que essas tendências se mantiveram verdadeiras à medida que o programa cresceu – e essa nova ferramenta permitirá que os veículos vejam e avaliem dados específicos de seus artigos.
A análise revela outras variáveis e efeitos no impacto global dos Instant Articles sobre o tráfego de referência do Facebook. Aqui estão os destaques, mas você pode também navegar mais profundamente por essas variáveis e efeitos aqui:
  • A concorrência pela atenção no Feed de Notícias leva as pessoas a formatos fáceis de consumir.
  • Os ciclos de notícias muitas vezes contribuem para oscilações no tráfego de links geral.
  • As diferenças regionais influenciam os resultados do tráfego em regiões e mercados.
  • As variações regionais no tráfego móvel são atribuídas a variáveis como conectividade de rede e dispositivo móvel.
  • A propensão das pessoas de clicar em Instant Articles está correlacionada ao volume de Instant Articles que elas veem de um veículo.
No mês passado, compartilhamos dados sobre as oportunidades que muitos veículos com Instant Articles estão vendo em termos de monetização provenientes do formato. Mais de 10.000 veículos em todo o mundo estão usando Instant Articles e mais de um terço de todos os cliques para artigos no Facebook são em Instant Articles.
Somos encorajados pelo crescimento e momento que vemos no programa e continuamos investindo em melhorias que criam valor para os negócios de nossos parceiros. Agora, estamos testando novas unidades de recirculação e compartilharemos mais sobre essas novidades nas próximas semanas.
* “Nielsen Custom Instant Article Study”, um estudo da Nielsen encomendado pelo Facebook, julho de 2017.

domingo, 23 de abril de 2017

Coca-Cola coloca sobrenomes nas embalagens

Campanha do verão de 2017 da Coca-Cola (crédito: reprodução)
Desde o lançamento de sua ação “Share a Coke” nos Estados Unidos em 2014, a Coca-Cola vem tentando realizar uma aproximação com seus consumidores. A prova disto está neste verão, quando a marca ficará ainda mais pessoal ao adicionar sobrenomes à mistura. Sem aparecer em garrafas que já contenham nomes, os rótulos incluirão sobrenomes como Johnson, Smith ou Lopez, enquanto outros irão levar identificações como Chris, Sarah ou Matt. “Sobrenomes nos darão a oportunidade de convidar mais pessoas para a campanha”, disse Evan Holod, diretor de marca da Coca-Cola. “É apenas uma ótima maneira de atingir nosso objetivo”.
A marca também está estabelecendo a conexão com os consumidores, em eventos como reuniões familiares e casamentos, ele acrescentou. Enquanto os nomes aparecerão aleatoriamente no varejo, as pessoas podem fazer encomendas personalizadas no ShareaCoke.com — que será executado de maio a julho de 2017.
O marketing, que trabalhou com uma empresa de análise de informações, identificou 200 sobrenomes populares que representam cerca de um quarto da população de pessoas, entre as idades de 13 a 34, nos Estados Unidos. Agora, a lista de nomes da marca inclui mais de 800 opções.
A Coca-Cola lançou “Share a Coke” na Austrália, em 2011. A ação chegou aos Estados Unidos em 2014 e provou ser um sucesso, ajudando a marca a crescer seu volume de vendas naquele ano, pela primeira vez desde 2000. A Coca-Cola começou, em 2014, com os 250 nomes mais populares, entre adolescentes e millennials. Este ano, o maior número de nomes vai cobrir mais de 77% da população geral nos Estados Unidos, pessoas com idades entre 13 e 34, de acordo com a marca.
A popularidade da tática prova que ideias simples de marketing são, muitas vezes, as melhores ideias. Ao carimbar nomes nos pacotes, a Coca-Cola está alimentando uma sede de personalização e customização. Existindo, desta maneira, um claro apelo pela vaidade, uma vez que aparentemente os consumidores gostam de ver seu próprio nome em qualquer lugar, mesmo que seja em uma garrafa de refrigerante. Mas as pessoas não apenas procuram seus próprios nomes. Elas também procuram nomes de amigos e familiares, diz Holod.
Como qualquer coisa, o truque é manter o programa fresco, o que a Coca-Cola tem feito ao experimentar conceitos diferentes ao longo dos anos. No verão passado, por exemplo, a marca colocou letras de canções em suas latas — como “We are the champions”, da banda Queen —, comercializando-a como “Share a Coke and a Song”.
Este ano, a Coca-Cola está alterando a campanha para “Share an Ice Cold Coke”, na tentativa de estimular a demanda por refrigerante em dias quentes de verão. Os anúncios em vídeo, incluindo TV, serão alimentados neste tema. A principal agência criativa da campanha é a Fitzgerald & Co., da McCann Worldgroup. Holod afirma que a ação receberá 13 semanas de “apoio intenso dos meios de comunicação”, incluindo três novos filmes na televisão.
Embora alguns sobrenomes possam ser mais populares em algumas regiões do país do que outros, a Coca-Cola não tem planos de segmentar regionalmente certos nomes. Holod diz estar confiante que a marca terá a combinação certa de nomes para atender a demanda em todas as regiões. A Coca-Cola forneceu a seguinte lista de sobrenomes como alguns dos mais populares em toda a sua população alvo: Smith, Johnson, Williams, Miller, Garcia, Davis, Rodriguez, Martinez, Hernandez e Lopez. Quanto aos nomes, Michael é o número 1.
Tradução: Victória Navarro
Fonte: http://www.meioemensagem.com.br

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

5 tendências para social media em 2017

Por Marcos Giovanella

O ano de 2017 é bastante emblemático para a propaganda, principalmente no Brasil. Quando falamos em tecnologia ou em redes sociais temos coisas muito interessantes que já são muito utilizadas (ou mais utilizadas que no Brasil) no mercado americano e que pouco vemos em uso aqui.
 1 - Big data para entender realmente o consumidor da sua marca e com isso melhorar a performance de mídia e a produção do conteúdo de marca.

 2 - Inteligência artificial e a criação de chatbots efetivos, que sejam capazes de identificar e aproveitar as tendências.

 3- Realidade virtual e realidade aumentada. Ambas as tecnologias oferecem oportunidades incríveis de interação da marca e seus consumidores ou targets.

 4 - O vídeo ainda continua como uma grande tendência. Principalmente quando falamos de Facebook. A questão agora é encontrar uma equação entre volume de produção x custo. No Brasil a produção de vídeos para internet ainda tem um custo que muitas vezes é proibitivo para marcas que tem investimentos menores.

 5 - Rever a sua estratégia de social media. Será que ela está criada com foco direto no consumidor? Hoje com os benefícios do big data, onde é possível microsegmentar a base e direcionar a sua comunicação de uma forma muito direta para o consumidor, onde ele está e do jeito que ele quer ouvir é uma boa pratica que deve ser adotada pelas marcas que querem melhores resultados em social em 2017.

5 maneiras de aprender sobre Marketing Digital

Apesar de ter muito conteúdo espalhado na internet, muitas vezes fica difícil escolher qual caminho seguir


Sabemos que o Marketing Digital é uma área muito dinâmica, pois tudo pode mudar a qualquer momento. Diante de todas essas mudanças que acontecem frequentemente, é fundamental estar sempre atualizado. Afinal, acompanhar de perto todas as tendências é uma excelente tática para não ficar para trás.
Entender mais sobre o universo online contribui para o aumento significativo do retorno sobre o investimento, independentemente do seu segmento de atuação. Porém, muitos profissionais encontram dificuldades para ter acesso a materiais educativos de qualidade sobre o tema.
Apesar de ter muito conteúdo espalhado na internet, muitas vezes fica difícil escolher qual caminho seguir. Por isso, separamos algumas dicas para compartilhar com você sobre as melhores práticas para aprender Marketing Digital.

1. Acompanhando blogs

Uma das maneiras mais eficientes e baratas de estudar sobre Marketing Digital consiste em ler blogs sobre o assunto. A vantagem desses canais é que eles reúnem várias temáticas que integram o universo online. Em uma mesma plataforma, é possível encontrar dicas sobre Email Marketing e produção de conteúdo, por exemplo.
Assinar newsletters também é uma excelente alternativa para se manter atualizado e acompanhar as publicações dos principais blogs. Outra opção para saber sobre tudo o que acontece no universo do Marketing Digital é habilitar o Google Alerts com foco nos seus temas de maior interesse. Assim, você passa a receber notificações em primeira mão sobre assuntos como Inbound Marketing, Marketing de Conteúdo e Inbound Sales.

2. Estudando com eBooks, webinars e outros materiais

Se você pretende aprofundar os seus estudos, os eBooks são uma ótima pedida! Algumas empresas disponibilizam esses materiais gratuitamente. Organize os temas em pastas temáticas no seu computador para facilitar a localização quando precisar consultá-los.
Os webinars também fornecem conteúdos muito valiosos sobre o tema. O seu formato dinâmico tem mais poder de reter a nossa atenção e, além disso, você pode interagir com o palestrante e tirar as suas dúvidas em tempo real.
Aproveite para conhecer os materiais que nós selecionamos. 

3. Participando de eventos

Há muito conteúdo online disponível, então por que ir a eventos de Marketing Digital?
A experiência nos encontros presenciais é singular! Você tem a chance de se dar bem, não só com os conteúdos transmitidos, mas com o networking. A troca de conhecimento entre os participantes é um dos principais motivos que devem te convencer a participar de um evento presencial.
Outro ponto favorável é que você ganha notoriedade como profissional. Nos dias de hoje, é fato que é preciso transmitir credibilidade para se posicionar no mercado. E não há nada mais poderoso do que estar entre os principais nomes de sucesso em um evento, para criar uma reputação positiva.
Aproveite para registrar esses momentos e divulgá-los nas suas principais redes sociais. Além disso, é importante incluir essa experiência no seu perfil do Linkedln. Essa é uma maneira de conquistar mais visibilidade profissional.

4. Contratando uma consultoria ou agência

Que tal poder contar com uma ajuda especializada na elaboração de ações de Marketing Digital? Um auxílio profissional pode cair bem, principalmente para quem está começando. Dividir a responsabilidade dos resultados das ações de marketing é um alívio para boa parte dos profissionais. Afinal de contas, comprovar o ROI sempre foi um desafio!
Contratar uma consultoria é uma solução interessante para visualizar com mais clareza a situação atual do negócio, bem como as estratégias que precisam ser aprimoradas para garantir um resultado bem sucedido. Além disso, é possível reduzir custos com essa medida, já que esforços bem direcionados podem ser delegados a uma equipe enxuta.
É fato que o responsável pelo Marketing Digital precisa ter um perfil multidisciplinar, mas ainda é muito difícil reunir em uma empresa todos os talentos necessários para criar uma estratégia online de sucesso. Por isso, contratar um conjunto de profissionais especializados em criação, mídia, conteúdo, SEO, dentre outra atividades, gera uma eficiência enorme. Com isso, a empresa evita maiores gastos com a contratação de todos esses funcionários.

5. Fazendo cursos online

Os cursos online podem ser fontes muito ricas para estudar Marketing Digital.
Há boas opções no mercado e as certificações que esses cursos oferecem são muito bem vistas na área. Afinal, como tudo muda muito depressa, isso mostra que o profissional está sempre antenado!
Além disso, a possibilidade de acessar o conteúdo a qualquer momento é outra vantagem dos cursos online. Isso é perfeito para quem deseja um horário mais flexível para aprender sobre Marketing Digital.

Dica extra

Depois de tudo o que você aprendeu, já sabe como é o perfil correto do profissional de Marketing Digital? Para se tornar um especialista bem sucedido, é preciso reunir algumas características básicas como:
- Ter habilidade na construção de conteúdo;
- Conhecer os principais recursos das redes sociais mais relevantes para o negócio;
- Dominar táticas básicas de SEO;
- Saber criar campanhas no Google AdWords, Facebook Ads e demais plataformas de anúncios;
- Ter noções de Email Marketing;
- Possuir habilidade para analisar os dados e transformá-los em informações estratégicas.
É válido ressaltar que, mais do que conhecimento técnico, o mercado valoriza os profissionais que possuem o desejo de aprender.
Aproveite o momento para se capacitar cada vez mais no assunto e nunca perca o encanto pela arte de estudar. Isso é fundamental, especialmente quando o assunto é o meio digital.
André Siqueira - Diretor de marketing da Resultados Digitais.

sábado, 14 de janeiro de 2017

Criação de sites profissionais, acesse, ligue e peça um orçamento!

Quer um site profissional de qualidade?
Acesse: www.f5midia.com.br ou adicione no Whatsapp: (21) 9.6471-1386 e peça um orçamento!
Criação de sites de qualidade é na F5 Mídia.

10 tendências de marketing digital para 2017

Para o polonês Zygmunt Bauman, vivemos tempos em que modelos tradicionais são destruídos. Isso já aconteceu inúmeras vezes na história, mas a diferença agora, segundo o filósofo, é que os novos modelos não são mais “sólidos”. Eles podem mudar rapidamente, de acordo com o que as forças sociais e individuais determinarem. Bauman chama isso de “modernidade líquida”: ideias não são duradouras e eternas, e podem se transformar rapidamente em outro conceito.
No mundo do marketing digital, o cenário não é diferente. Novas tecnologias que acabam de adquirir o status de “padrão ouro” são substituídas em pouquíssimo tempo por modelos mais aprimorados. A mudança é tão rápida que a consultoria Gartner preparou um paper exclusivamente para discutir o assunto, o “2016 Gartner Hype Cycle for Digital Marketing and Advertising”,para ajudar profissionais de marketing a decidir que tecnologias e tendências possuem o maior potencial de impactar a jornada do consumidor.
A seguir, vamos analisar algumas das tendências que deverão conduzir os esforços do marketing digital em 2017: CLIQUE AQUI E LEIA A MATÉRIA COMPLETA.